top of page

NOTA DE REPÚDIO AO PROJETO DE LEI 1083/2019 QUE PROPÕE QUE O PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO EM ENSI

Não surpreendem iniciativas que vão na linha da IDEOLOGIA do “Escola sem Partido”, cuja IDEOLOGIA, visa aprisionar o ensino público em todos os níveis na lógica conservadora, machista e autoritária que governa o país desde sua formação.

Com o argumento de afastar as crianças e jovens da “doutrina comunista”, rejeitam todas as ideias que contrariem o ideário que poderíamos qualificar como judaico-cristão-neopentecostal, objetivando com a falsa ideia de libertação, enclausurar o pensar no país e no Estado de Minas Gerais em particular numa bolha composta somente pelas ideias desta doutrina conservadora, machista e autoritária.

Bom, enfim, no caso específico do Ensino Superior Público de Minas Gerais, foi proposto recentemente, o PL 1083/2019 de autoria do Deputado Estadual Coronel Sandro, Vice-Líder do Governo (PSL), que pretende instituir a obrigatoriedade como etapa de seleção para ingresso e renovação de matrícula no ensino superior público estadual de Minas Gerais a realização de exame toxicológico por parte dos participantes de testes seletivos para ingressos na graduação e pós-graduação.

Ou seja, o projeto torna obrigatório o exame toxicológico de candidatos e alunos, de graduação e pós graduação, da UEMG e da UNIMONTES, na matrícula ou renovação desta, como condição para validação do ato de matrícula.

O projeto propõe que o exame se dê anualmente, que seja custeado pelo interessado e será feito clinicas médicas cadastradas na Secretaria de Saúde do Estado de Minas Gerais.

Bom, vamos aos defeitos do projeto:

1 – Pressupõe que todo o aluno de Universidade é viciado em drogas e que a Universidade é um espaço aberto para seu consumo.

A premissa acima não é verdadeira, bem como tem claro viés de preconceito, exposto de forma literal nas justificativas do projeto de lei em questão, quando afirma que:

“Nos últimos tempos as faculdades espalhadas por todo país têm se tornado grandes centros de consumo e de comércio de drogas. Objetiva-se a prevenção ao consumo de entorpecentes por jovens que seriam incentivados a manutenção de uma postura idônea através do risco de perderem oportunidades para seu futuro profissional, com o impedimento para o ingresso ao ensino superior. Baseado no princípio da meritocracia, cuja definição vem do latim meritum, que significa "mérito", unida ao sufixo grego cracia, que quer dizer “poder”, o projeto visa premiar aqueles com uma conduta social condizente com os valores morais da maioria da população, que, conforme recente pesquisa DataFolha, condena o consumo de entorpecentes ilícitos e a legalização dos mesmos. A população, de acordo com a análise desses dados, espera que seus futuros médicos, professores, engenheiros e juízes não sejam usuários dessas substâncias ilícitas.” (MINAS GERAIS, 2019)

Assim, todo universitário é um drogado até prova em contrário, logo, nítida discriminação em relação a um determinado contingente da população, desde já previamente compreendido como dependente químico de drogas psicoativas, bem como infrator da lei o que fere o princípio da presunção da inocência.

Se o objetivo do projeto (um dos menos acentuados), como consta de suas justificativas é combater os problemas de saúde derivados do consumo de drogas, qual a razão de não estender a mesma exigência para as bebidas alcoólicas, ou para o consumo de remédios liberados?

Vejam, OS MESMOS CAUSAM TAMBÉM DEPENDÊNCIA QUÍMICA E NÃO SÃO FOCO DO PROJETO.

2 – O projeto direciona os exames para clínicas particulares cadastradas na Secretaria de Saúde (art. 4º. PL 1083/2019):

Aqui jaz a inocência do deputado proponente, na medida em que Clínicas Particulares vão passar a ter uma demanda anual de quase 30.000 (trinta mil) exames, a serem custeados por estes 30.000 (trinta mil) interessados em potencial.

Qual o custo disto para o Estado e para a população em questão?

A resposta não consta do projeto, em parte!!!

3 – O custeio dos Exames caberá aos alunos!!!!

Pela proposta do deputado o exame toxicológico deverá ser custeado pelos que fazem o processo seletivo e pelos estudantes das instituições de ensino público (art. 3º PL 1083/2019).

Ou seja, em média o exame custa R$ 180,00 (cento e oitenta reais), conforme consulta pela internet dos preços em clínicas particulares.

E como fica o aluno de baixa renda?

Pior, se o exame é condição para a validação de um ato jurídico do Estado, realizado em função do exercício de um seu poder de polícia, sua cobrança só pode ser por meio de taxa, e a iniciativa de lei neste sentido depende de iniciativa do poder executivo.

Enfim, o projeto contraria a Constituição Federal em várias de suas disposições, em especial, ao estabelecer um tratamento discriminatório aos estudantes do ensino superior, pretende se estender para os professores, ignora que não é um exame anual que irá prevenir ou combater adequadamente a dependência química de entorpecentes, ignora que outras formas de dependência química causam os mesmos males alertados na justificativa do projeto, além do que cria mais uma esteira burocrática, desnecessária e complexa no contexto dos procedimentos administrativos voltados ao funcionamento do ensino superior.

Tal gesto é uma afronta à autonomia universitária, a dignidade dos alunos e professores da UEMG, por via mediata de sua comunidade interna e externa.

Cabe ao Governador Zema pronunciar-se contra este gesto de intolerância (eis que a proposta parte do Vice-lider do Governo na ALMG), o que se espera de pronto, face ao absurdo decorrente da proposta aqui rechaçada.

09, de outubro de 2019.

Diretoria Executiva da ADUEMG

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
bottom of page